NOTÍCIAS

inicial - notícias - Alta do dólar

-
 

Alta do dólar


Chefe do BC diz que não vai usar taxa de juros para conter alta do dólar.


Por Google

08/06/2018

 

Após um dia de instabilidade no mercado financeiro, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (7) que a entidade não usará a taxa básica de juros (Selic) para conter a disparada do dólar. Em entrevista coletiva a jornalistas, Goldfajn disse que a política monetária (de juros) é separada da política cambial e que não há relação mecânica entre as duas. "A política monetária olha para as expectativas de inflação e o balanço de riscos, e não será usada para controlar taxa de câmbio". Com a recente disparada do dólar, que fechou esta quinta-feira em alta de 2,28%, cotado a R$ 3,92na venda, analistas passaram a especular que o BC poderia subir a taxa de juros em um ponto percentual (dos atuais 6,5% para 7,5% ao ano) até o final do ano, começando já na próxima reunião, marcada para os dias 19 e 20 de junho.

Para o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, se o dólar continuar a subir, o Banco Central poderá ser obrigado a usar a política monetária para conter o avanço do câmbio, em vez de utilizá-la como instrumento de controle da inflação, como normalmente faz. "Se o BC decidir subir os juros sem ter uma evidência de que a inflação saiu do rumo para a meta, o mercado interpretará como um sinal de que o Banco Central está com medo do câmbio. Isso é tudo que o Banco Central não quer. Ao mesmo tempo, ele não tem como ignorar a alta dos juros futuros, nem o avanço do dólar", disse o economista do Banco Fator.

BC vai intensificar atuação nos mercados

Goldfajn afirmou que o BC e o Tesouro Nacional têm atuado de forma coordenada para oferecer liquidez aos mercados de câmbio e de juros, especialmente por meio dos leilões de swaps cambiais tradicionais (contratos equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). O BC vai oferecer US$ 20 bilhões em leilões de swaps cambiais até o fim da próxima semana para tentar segurar a disparada do dólar. Esse valor pode ser ainda maior se a entidade considerar necessário, segundo Goldfajn. Além dos swaps, o BC pode usar outros instrumentos para trazer estabilidade aos mercados. "Vamos usar os instrumentos necessários para o mercado. Se precisar de swap, usamos o swap. Se precisar de reservas, usamos reservas. Se precisar de [leilões de] linha, usamos linha", disse Goldfajn. De acordo com ele, o Brasil tem mais de 20% do PIB (Produto Interno Bruto) em reservas internacionais, que podem ser usadas se necessário. No entanto, não houve essa necessidade até agora.

O que são swaps cambiais?

Por meio das operações de swap cambial, o Banco Central vende contratos de venda futura da moeda norte-americana, mas sem transferir o recurso de fato. Ao fim do contrato, o BC garante ao investidor o pagamento da variação do dólar no período e o investidor restitui a variação da taxa de juros no período. Se a taxa de juros for superior, o investidor embolsa os rendimentos. Se a moeda subir mais do que os juros no período, é o BC que sai ganhando. Esse contrato faz com que os investidores diminuam o apetite pela moeda norte-americana e o seu valor frente ao real seja reduzido no mercado de câmbio.

(Com Agência Brasil e Reuters)

 
 
Inicial | Guia de Profissionais | Notícias | Depoimentos | Sobre o Livro | Sobre a Empresa | Responsabilidade Social | Fale Conosco
  webmail Agência Digital ICOMP